Home / Intangible Heritage / Intangible heritage alive / Os últimos tocadores de harmónica do Baixo Alentejo [Portugal]

Os últimos tocadores de harmónica do Baixo Alentejo [Portugal]

Reportagem de Maria Armanda Salgado, membro da Catedra UNESCO, que participou no dia 23 de abril de 2016 num evento em que a arte de tocar "flaita" foi relembrada em Aivados (município de Castro Verde, Baixo Alentejo).

«Testemunhos recolhidos no concelho de Castro Verde, em Portugal, dão conta da existência dos tocadores de harmónica no Baixo Alentejo, desde meados do séc. XIX. Se, outrora, os tocadores de harmónica, “gaita de beiços”, simplesmente “gaita”, ou ainda conhecida por “flaita”[1], animavam os bailes da região alentejana, funcionando tais eventos como verdadeiros focos culturais nos sítios e localidades do Baixo Alentejo, na atualidade tal já não acontece por inúmeras razões. Na verdade, não só a “arte” de tocar não foi transmitida para as gerações seguintes, como também a rápida evolução tecnológica a par com as alterações sociais vividas, nas últimas décadas, acabaram por conduzir ao desaparecimento dos tocadores de harmónica.

Contudo, foi na região do Campo Branco, em Aivados[2], no município de Castro Verde que a arte de tocar harmónica foi relembrada, através da realização de um baile, no dia 23 de Abril de 2016, animado pelos últimos tocadores de harmónica, Manuel Florêncio, António Afonso e António Sousa, naturais do concelho de Castro Verde.

Esta iniciativa foi promovida pelo Museu da Ruralidade – núcleo da oralidade, em Entradas (município de Castro Verde)[3], cuja filosofia funciona em torno de duas referências estruturais: identidade e território. Pois, por um lado, pretende não só valorizar e dignificar a memória, sem qualquer tipo de preconceito na abordagem metodológica adotada, como procura, igualmente, alargar o seu funcionamento ao espaço geográfico de Castro Verde, sem deixar de contextualizar essa localização na região do Campo Branco.

Na verdade, o Museu da Ruralidade tem conhecido, nos últimos anos, um processo de crescimento, no qual se destaca a criação, em 2015, do núcleo de Aivados-Aldeia Comunitária”. A especificidade local da aldeia dos Aivados, onde a propriedade da localidade e os terrenos adjacentes são pertença da comunidade, desde, pelo menos, meados do século XVI, mas cuja manutenção de propriedade só foi possível devido a uma oposição forte, por parte da população, fez com que o museu procurasse abrir este núcleo museológico com o objetivo de dar a conhecer essa realidade.

Neste sentido, no âmbito da evocação do dia 20 de abril de 1975, data que marca a recuperação de parte das terras da comunidade aivadense, usurpadas durante o Estado Novo, teve lugar a atuação dos tocadores de harmónica, assim como o II Encontro de Poetas populares no centro de Convívio local, organizado pelo Museu da Ruralidade, com a colaboração da Biblioteca Municipal Manuel da Fonseca e também da Associação do Povo de Aivados.

Ouvir e conhecer os últimos tocadores de harmónica do Baixo Alentejo, reavivou memórias, deu a conhecer um “saber-fazer” que poucos detêm e contribuiu para a dignificação desta manifestação popular.

O papel do museu da Ruralidade, na multiplicidade das parcerias técnicas e científicas (por exemplo, Universidade Nova de Lisboa e Universidade de Évora) em que atua, bem como a sua integração em redes distintas (NUOME – Núcleo da Oralidade, memória e Esquecimento, criado no âmbito do MINOM, Rede de Museus do Baixo Alentejo e Rede de Museus Rurais do Sul) revela a preocupação desta unidade museológica em apresentar-se como uma plataforma de diálogo entre todos os atores envolvidos, sem esquecer a comunidade na qual está inserida.»

[1] OLIVEIRA DE, Ernesto Veiga (1975). Pequeno guia para a recolha de instrumentos musicais populares. Disponível em: http://alfarrabio.di.uminho.pt/cancioneiro/etnografia/ernesto.html. Acedido a 30-04-2016.

[2] Aivados é uma pequena aldeia, a 16 quilómetros de Castro Verde, cuja população é proprietária de um terreno com cerca de 400hectares, onde se encontra instalada há cerca de 500 anos.

[3] http://museudaruralidade.blogspot.pt/

Sponsors